dor empírica

Como perdi rimas boas em poemas ruins, modifiquei meu estilo e fiquei sem formato algum. Perdi rinhas ganhas por não apostar no azarão, perdi rainhas nas damas e não joguei nada por mim.

Fiz minhas conexões precipitadas e o precipício não me fez voar. Fui enterrado a sete palmos, sem fogo, sem água e nem ar.

Tratei de doenças que nunca me atingiram, tingi panos que nunca vesti. Fingi ser o melhor das opções porque nenhum parâmetro tinha ali.

A dor tenta atingir o mental, mental que busca o melhor para o espírito. Talvez não seja proposital, mas os versos se tornam empíricos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s